Pular para o conteúdo principal

[REVISÃO] MAX PAYNE 3

Isso é uma velharia que fiz no curso técnico de Jogos Digitais. Um trabalho de conclusão de um módulo. Olhei de relance no meu Google Drive e decidi postar sem alterações. Poderia ter postado na RDG, mas, acabei com o blog...

O que posso dizer (agora) sobre Max Payne 3  é que: Não foi um game memorável, mas é bom. Foi lançado e menos de um ano a Rockstar anuncia mais um video de GTA V - com Radio Ga Ga de Queen no trailer. O hype foi mais elevado, abafando Max Payne 3.
Max Payne 3 é um "protótipo" de gameplay de ação de GTA V  - é muito visível pra quem jogou. Até o Bullet-Time está presente no personagem Michael.

Bom, fica ai o texto feito em DEZEMBRO DE 2012 - que época de ensino médio e técnico boa!

------

MAX PAYNE 3


Parece que a Rockstar teve várias missões: Conseguir fazer um Max Payne sem a empresa Remedy Entertaniment, superar os dois jogos antecessores (Max Payne e Max Payne 2), conseguir fazer um roteiro sem o toque do criador da série, Sam Lake. E o mais díficil: fazer uma São Paulo fictícia e o mais próximo de uma realista (vice-versa).


Max Payne 3
Fabricantes: Rockstar Games (London,Toronto,New England e Vancouver)
Ano: 2012
Jogadores:1 (e mais jogadores no modo online)
Console: PS3, Xbox 360 e PC


“From New York para São Paulo”

A Rockstar conseguiu fazer (menos a São Paulo do jeito que conhece) um novo Max Payne, o melhor foi que Dan Houser (criador da franquia Grand Theft Auto) escreveu o roteiro.


Enredo

Mantendo o Max que Sam Lake deixou, Dan H. deu um rumo menos Noir para o personagem, fazendo ir para São Paulo e ser o segurança particular da fámilia Branco.
A desventura começa quando a gangue, chamada de Comando Sombra (nome mais original), tenta sequestrar Fabiana Branco, em duas tentativas: a primeira no apartamento e na segunda, que conseguem, em uma festa feita no estádio do Galatians FC (uma espécie de Corinthians fictício). E sem contar flashbacks de Max Payne, depois do segundo game, reencontrando Raul e metido numa encrenca com o mafioso Anthony De Marco, por matar seu filho em uma briga de bar em nova Jersey (...)  
Dan Houser conseguiu fazer um roteiro original e também fazer um Max mais velho e com os mesmos problemas que assombra sua vida: o trauma da morte de sua fámilia em Max Payne (PS2, Xbox e PC).


Jogabilidade

O jogo é de tiro de terceira pessoa, assim como os antecessores, mas com novidades. É possível dar zoom no game, para facilitar a mira do jogador entre os inimigos mais longes. O zoom pega no ombro de Max. A física melhora e Max também, quando joga Max pela as paredes (ou por algum objeto) ele tem reações que dá um pouco de dano no jogador, quando mais longe, pior é o dano. O sistema Bullet-time (á moda Matrix pra dummies), está do mesmo jeito que nos primeiros jogos da franquia, mas com melhora na mira e na esquiva, para deixar você feliz.O nível de Max Payne 3  é tão alto que a própria Rockstar facilitou que o jogador possa ter uma segunda chance com "Last Man Standing", faz que Max tenha uma chance em matar um inimigo para recuperar o sangue (requer analgésico). Um exemplo: quando um inimigo atira em você até a barra de sangue acabar, automaticamente o Bullet-time é ativado, e na queda de Max até a sua morte (ou não), você tem uma chance para encher o seu inimigo de balas até a morte, se bobear, morte na certa para Max, se eliminar o inimigo ainda a tempo, você volta á ativa para meter balas! Uma das novidades, que todos deram destaque, é que Max Payne 3 está mais brutal e sangrento.


Gráficos

Você, se jogou o primeiro Max Payne (e ainda dublado no PS2 ou PC), percebeu um salto na qualidade nos gráficos em Max Payne 3. É, você está velho e saudosista.
Com uso avançado do motor gráfico Euphoria (GTA IV, e outros games), Max Payne 3 tem um avanço nos gráficos, e fazendo umas curt cine estilo Metal Gear: Solid, curt-cines longas e isso é bom e trocando a velha fotonovela (comic) dos antigos games da franquia. Mesmo tirando o clima noir (visto nos antecessores), a Rockstar deixou o velho clima de filme policial. A física dos personagens e as animações está muito realista (não sei que vai acontecer num futuro próximo em avanço de gráficos, mas é 2012)! Nos flashbacks de Max, volta o velho noir-policial dos primeiros games, para quem jogou os primeiros games da franquia e saber como Max foi para São Paulo.


Dublagem e SP “Filho da putha”!

Não estou falando mal da dublagem e nem da São Paulo vista pela Rockstar, eles tentaram e não foram que nem a Ubisoft com Assasin’s Creed III, isso sim é falta de pesquisa geográfica e social. Quando a Rockstar mostrou o beta de Max Payne 3 para os editores de sites e revistas tupiniquins, muitos editores criticaram a São Paulo do beta por parecer mais Rio de Janeiro do que São Paulo. Muitos dizem que até o ônibus de São Paulo teve o mesmo modelo dos ônibus do Rio de Janeiro. Na dublagem de alguns personagens, eles tentaram, mas ficou meio “Doctor Ray”, com sotaques gringo, que até irrita para alguns. O ponto alto é na dublagem dos inimigos, está sensacional e tensa para o seu gameplay. A pesquisa da Rockstar foi tanta, que conseguiu fazer até referencias da SP real, por exemplo: a Prefeitura de São Paulo ficou “Sentinela de São Paulo” (e olha que está no logo da sentinela), os ônibus se basearam na região centro-oeste da capital, as propagandas (como a água mineral “NADA”) e nomes de lojas que ficou muito hilárias, para nós brasileiros e também do time fictício Galatians FC (claro que é uma paródia do Corinthians).


Finalizando:

Essa revisão foi mais para mostrar como a Rockstar conseguiu (mais uma vez) inovar com um game que já inovou e que era de outra empresa (Remedy). Isso pode dizer á Rockstar que não faz um trabalho feio, conseguiram até fazer uma adaptação do filme do The Warrios em beat 'em up (briga de rua) para PS2 e PSP, que ficou sensacional. Max Payne 3 é um game desafiador, até deixa você com raiva com o nível dificuldade. O interessante é como mostra a vida cão de Max no brasil, é tensa e dolorosa. Tirando a fotonovela e fazendo curt cines longas e de belos gráficos, Max Payne 3 ainda traz uma nova espécie de slots de armas e bem real: você pode usar duas armas pequenas, mas você tem remover uma arma grande de seu slot. Que jogo, recomendo você jogar os primeiros para saber a evolução da franquia, assim você pode jogar com mais vontade! E lembrando da trilha sonora do game, que está de parabéns! Recomendo.


Curiosidades:

O sistema bullet-time

O termo bullet-time é batizado no filme Matrix (1999). O efeito é de câmera lenta, em Max Payne, você ativa bullet-time em qualquer hora do gameplay (se estiver com a barra de bullet-time cheia).  Max Payne foi desenvolvido ao mesmo tempo de Matrix, mas com a popularidade do filme, a Rockstar e a Remedy esperou mais para lançar o game (em 2001) para PC, PS2 e Xbox.

Sam Lake - Max Payne

Sam Lake mesmo sendo criador e roteirista dos dois primeiros Max Payne, foi modelo de rosto para Max no primeiro game da franquia. E Lake está ainda na Remedy, o último game lançado pela produtora foi Alan Wake.
-------
RECOMENDAÇÃO: Não curto LOL. Mas, o artbook é o forte. Vejam!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

[VERTIGO/DC] [HQ] 'O evangelho de Coiote' - Homem Animal

Preparando três cônicas para o blog, tive que fazer uma postagem rápida (e das boas) porque me enrolei e, quase, voltei para o zero.


Homem Animal. Pensou quem é esse Herói?
Um AquaMan em versão animal? Quase. Assim como Aquaman: depende da equipe criativa (Novos 52 mostra isso).

Homem Animal (Animal Man) é um personagem criado nos anos 60/70, isso quer dizer: "mais um".  E assim como qualquer "mais um herói", porque poucos tiveram salvação em não ficar esquecido, Homem Animal não teve essa sorte.
Mas o herói despertou curiosidade em algumas crianças na época, um deles foi Grant Morrison.
Do que viu de tão incrível nele? Olha sua introdução o porquê: Parte 1/ Parte 2/ Parte 3


Por que esse post tem o titulo de 'O Evangelho de Coiote' e não 'Homem Animal'?
Rapaz, 'O Evangelho de Coiote' foi um marco (ainda mais) para carreira de Morrison na DC. Mostrou ainda mais o lado filosófico usando metalinguagem. Nessa história Morrison usa o personag…

RECOMENDAÇÃO NETFLIX: Documentários de Metal e Games

Durante esse final de semana, vi três documentários na plataforma Netflix. Então, vou recomendar dois: 'Metal: Uma Jornada pelo Mundo do Heavy Metal' e Global Metal, porque são sensacionais (e obrigatórios).
 E tem mais um que vi e me deixou decepcionado (em partes) e vai ser o 1° que vou falar... Então, acompanhe a seguir:

(1/3) - [2014] Video Game: The Movie

  Esse documentário é mais uma tentativa fracassada de juntar 'grande orçamento' + Video Game. Video Game não é algo tão complexo para falar, temos ótimos canais de Youtube que falam sobre isso.
 Enfim: é mais um documentário para gente que não é habitue tanto ao universo Gamer. Com a narração de Sean Astin (Senhor dos Anéis e Goonies) o documentário tenta mostrar com uma estética de linha temporal muito boa... Aparenta.
 De inicio eles começam a falar da fase Atari (que foi muito bem explicado) mas, quando vai mais para frente sempre deixa uma parte nebulosa (buracos) na evolução dos consoles, sempre puxando ao…